Protocolo Quercus e AXA

A Quercus e a AXA Portugal assinaram a 5 de junho, Dia Mundial do Ambiente, um protocolo de mecenato com o objetivo de sensibilizar empresas potencialmente poluidoras a desenvolverem ações que respondam às exigências da legislação existente ao nível da responsabilidade ambiental.
Veja aqui a reportagem da Quercus TV:

Este protocolo visa o apoio a dois projetos da Quercus na área de conservação ambiental, a ser desenvolvidos nas serras de Aire, Arga, Montemuro e Alvão. Este momento serviu ainda de pano de fundo para o lançamento do Ecosfera – Responsabilidade Ambiental, uma nova solução de seguros AXA dirigida a empresas com atividades potencialmente poluidoras1, com a chancela Quercus, que contribuiu para a sua elaboração através da aferição e conhecimentos técnicos na área ambiental. Nuno Sequeira, presidente da Quercus, João Leandro, presidente da AXA Portugal e Paulo Bracons, diretor geral de marketing e oferta da AXA Portugal, no momento da assinatura do Protocolo Enquanto solução, o Ecosfera-Responsabilidade Ambiental, permite a subscrição de garantias no âmbito da Responsabilidade Civil por agressões ao ambiente, Responsabilidade Administrativa Ambiental e despesas com medidas urgentes, de minimização, entre outras, orientadas para empresas cuja atividade poderá acarretar prejuízos para o Ambiente. De acordo com dados da Quercus, em Portugal existem 750 instalações industriais abrangidas pelo regime do PCIP (regime do controlo e prevenção integrado da poluição) e 162 instalações abrangidas pelo SEVESO (prevenção de acidentes graves que envolvam substâncias perigosas), sendo que 54 são de nível superior de perigosidade. A Quercus sublinha ainda que, sobretudo em épocas de crise em que preocupações como esta são relegadas para segundo plano, é necessário reforçar as ações de consciencialização junto das empresas.

Os projetos da Quercus abrangidos por este protocolo com a AXA Portugal têm por objetivo a conservação de habitats e de espécies da flora, através de atividades como o pastoreio e a colheita sustentável e comercialização de plantas aromáticas, medicinais e condimentares, como o projeto que está em vigor na Serra de Aire. Em relação aos projetos a implementar nas serras de Arga, Montemuro e Alvão, estes dirigem-se à recuperação e conservação ativa de espécies locais, procurando desse modo encontrar um equilíbrio que promova a diversidade de espécies de plantas raras (como a genciana-das-turfeiras) e de invertebrados ameaçados (como a borboleta-azul). Esta parceria com a Quercus vai ao encontro da estratégia da AXA Portugal, reforçando a sua presença junto do segmento de mercado empresarial e, simultaneamente, o seu posicionamento na responsabilidade corporativa e ambiental, que passa pelo desenvolvimento de produtos social e ambientalmente responsáveis, por iniciativas de bem-estar internas, pela gestão responsável de sinistros ou ainda pela redução do impacto ambiental nas instalações. Neste âmbito, a AXA Portugal implementou desde 2001 o projeto AXA Verde para desenvolver boas práticas e gerir os principais indicadores ambientais, tendo dado origem mais tarde à implementação de um sistema de gestão ambiental. A gestão destes indicadores tem vindo a dar resultados, como a redução de 44% em 3 anos do papel utilizado na empresa e uma percentagem de 82% da frota automóvel com emissões reduzidas (entre 101 e 140gr CO2/km). Em termos de atuação enquadrada na responsabilidade ambiental, este protocolo com a Quercus vem reforçar a presença da AXA Portugal em projetos como a Fundação Mata do Buçaco, da qual é uma das entidades fundadoras; o projecto Floresta Unida com a plantação de mais de 30 mil árvores, no qual participou com voluntários; e o Movimento ECO – Empresas Contra Fogos, para o qual contribui com ações de sensibilização contra incêndios.  1] Nomeadamente os sectores químico, industrial, pecuário, têxtil e gestão de resíduos – decreto-lei 147/2008 de 29 de julho que institui o princípio “poluidor-pagador”. Lisboa, 5 de junho de 2012

Nota de Imprensa